Não se sinta desconfortável de _______ no trabalho, a não ser que deva

É interessante como nos acostumamos a nos sentir controlados e vigiados no ambiente em que trabalhamos. Mais interessante ainda é o que este tipo de situação gera (ou é gerada por, quem sabe…).

Não é raro eu passar por alguém que está sentado em sua estação de trabalho, com uma IDE com o código aberto ou um editor de texto com um documento formal da empresa aberto. Mas, bem no rodapé da tela, na verdade, existe uma pequena janelinha de bate-papo, ou de notícia da internet, ou de leitor de RSS ou de alguma outra coisa que a pessoa está estudando ou fazendo! Quando não existe esta janela no rodapé, existe em algum ponto da tela uma janela (normalmente de chat) praticamente transparente, para que não seja percebida a distância. Os mais experientes conseguem unir as duas técnicas: uma micro janela no rodapé, praticamente invisível.

Continuar lendo “Não se sinta desconfortável de _______ no trabalho, a não ser que deva”

Livros que li (ou reli) em 2011

Assim como dizem que um relógio ou sapato fala muito sobre a pessoa que o utiliza, considero que os livros que uma pessoa lê falam muito sobre ela (ou sobre o período de vida dela). Sendo assim, resolvi aqui compartilhar os livros que li (e reli) em 2011.

Sobre a releitura, não me recordo quem falou que um livro precisa ser lido pelo menos 3 vezes, em momentos distintos, para ser melhor aproveitado pelo leitor. Concordo plenamente, pois a cada vez que leio o livro, tenho uma visão diferente ou complementar sobre o que leio. Se você nunca releu um livro, sugiro experimentar.

Continuar lendo “Livros que li (ou reli) em 2011”

Um caso de vandalismo contra a comunidade de desenvolvedores baianos

Esclarecimentos: como todos os meus posts recentes, este é mais um recheado de emoção, especificamente raiva e indignação. Provavelmente este post não é para você, e já peço desculpas pelas fortes palavras. Mas se você é a pessoa citada abaixo, considere-se enviada À M****!

Continuar lendo “Um caso de vandalismo contra a comunidade de desenvolvedores baianos”

Por que abri mão de um cargo de chefia em uma empresa pública

Após quase 3 anos atuando como Chefe em uma empresa pública brasileira, decidi entregar o cargo e voltar as minhas origens de desenvolvedor. Foi uma decisão difícil em vários aspectos, que gerou consequências boas e ruins, além de algumas surpresas (não necessariamente positivas). Quero compartilhar aqui o que me levou a tomar esta decisão, como foi o processo, suas implicações e o que eu espero para o futuro.

Continuar lendo “Por que abri mão de um cargo de chefia em uma empresa pública”